BLOG

A Quimicolla no maior polo calçadista do Brasil

Conheça o maior polo calçadista do Brasil e descubra de que forma o setor influencia na economia e na vida das pessoas e indústrias que moram em Franca, Jaú, Nova Serrana e São João Batista.

Conheça o maior polo calçadista do Brasil e descubra de que forma o setor influencia na economia e na vida das pessoas e indústrias que moram em Franca, Jaú, Nova Serrana e São João Batista., Nova Serrana e São João Batista.

Polo é o nome dado para cidades distantes de grandes capitais, que se destacam em um setor e exercem influência em suas regiões. Esses são os casos de Franca, Nova Serrana, Jaú e São João Batista.

Essas quatro cidades são polos calçadistas. Juntas, são responsáveis pela geração de empregos, diretos e indiretos, para um grande número de brasileiros. A Quimicolla se orgulha de firmar parcerias com empresas pertencentes a todos esses polos, agregando valor à economia dessas regiões.

Por essa razão, a seguir vamos te contar a história dessas cidades. Iremos mostrar de que forma o setor calçadista atua e por que cada um desses locais pode ser considerado o maior polo calçadista do Brasil, de acordo com suas respectivas especialidades.

A Quimicolla pelo maior polo calçadista do Brasil:

Franca

Franca é a primeira cidade entre os maiores polos calçadistas do Brasil. Conhecida como a capital do calçado masculino, a cidade se destaca especialmente pela qualidade dos produtos fabricados. Há 200 anos no setor, Franca é especialista na produção de calçados de couro, sua marca registrada.

Tradição

Foi em 1820 que o maior polo calçadista do Brasil começou a nascer. Na época, Franca já tinha 14 sapateiros atuando na região. Menos de 100 anos depois, em 1950, as primeiras fábricas começaram a surgir. Foram influenciadas principalmente pela pecuária e cafeicultura da região.

As próximas duas décadas da cidade foram marcadas pelo aumento da industrialização e pela primeira participação no mercado externo. Foi quando, em 1970, a Calçados Samello realizou uma remessa de 17 mil pares de calçados para os Estados Unidos.

Com o tempo, as máquinas foram modernizadas, o processo produtivo foi alterado e os calçados aumentaram de qualidade. Consequentemente, a fabricação de calçados passou a ser a principal fonte econômica da cidade.

Empresas

O polo calçadista de Franca possui uma cadeia de 1015 negócios. São 283 empresas fornecedoras (insumos, máquinas e equipamentos), 265 prestadoras de serviços e 467 produtores de calçados. Isso sem falar nas instituições que desenvolvem inovações tecnológicas para aprimorar ainda mais o setor.

Merece destaque:

Em 2010, Franca exportou para 59 países, que consumiram 3,5 milhões de pares de calçados produzidos na cidade. O resultado disso foi um faturamento de U$97 milhões de dólares.

Ocupa com o meio ambiente. Por essa razão, foi criado um aterro industrial, para que resíduos das indústrias pudessem ser descartados. Ele, inclusive, serve de parâmetro para outras regiões.

Franca também tem o compromisso de atuar conforme as leis trabalhistas, contra o trabalho escravo e infantil. A cidade possui, por exemplo, o Instituto Pró-Criança, que promove a educação e protege as crianças da região. 

Nova Serrana

Este polo é referência nacional, especialmente no que diz respeito ao crescimento da indústria calçadista. Nova Serrana é um dos polos calçadistas com maior variedade de produtos. Na cidade, são feitos calçados femininos, masculinos, infantis e esportivos.

Localizada no centro-oeste de Minas Gerais, a 112 quilômetros de Belo Horizonte, a cidade se destaca pela qualidade dos produtos e seus preços acessíveis.

Tradição

Foi logo após a emancipação da cidade, em janeiro de 1954, que Nova Serrana encontrou sua vocação. Na época, os habitantes da região já começaram a se envolver na manufatura de calçados, fazendo com que o polo se tornasse hoje um dos mais desenvolvidos do país.

Com a maior parte das vendas concentradas no Sudeste, Sul e Nordeste do Brasil, Nova Serrana produz atualmente cerca de 800 pares de calçados por dia.

Empresas

Nova Serrana está entre os polos que mais crescem no país. Isso se deve especialmente aos 105 milhões de pares de calçados produzidos todos os anos e às mais de 1200 empresas que os fabricam.

São 687 empresas, 465 fabricantes, 62 prestadoras de serviços e 210 fornecedores de matérias-primas, acessórios e máquinas. Todas elas, envolvidas na fabricação de sapatos, botas, sapatênis, calçados infantis, sandálias, sapatilhas, chuteiras, entre outros.

Jaú

Com cerca de 200 fábricas de calçados e acessórios, Jaú se destaca como um dos principais polos calçadistas do país. Com uma produção de 60 mil pares por dia, o setor tem grande influência na economia local e regional. 

Além disso, também exporta para toda a América do Sul, Estados Unidos, Emirados Árabes, Cuba, México, Canadá e França.

Tradição

Foi com a chegada do italiano Guiseppe Contatore, em 1900, que a primeira sapataria se instalou na cidade. Além de pioneiro no setor, ele também foi responsável por ensinar seus conhecimentos a vários outros habitantes de Jaú.

A consequência disso foi o surgimento de inúmeras casas de couro e pequenas oficinas, como a Casa Arthur Bernardi. Já em 1950, se desenvolveram as fábricas de corte. Conhecidas como “fabriquetas”, elas eram pequenas indústrias de calçados.

Como na época, não era fácil encontrar mão-de-obra qualificada, os funcionários passavam por treinamentos e capacitações para a produção de calçados. Com o tempo, esses funcionários passaram a ter suas próprias empresas e, gradualmente, Jaú se tornou a capital do calçado feminino.

Merece destaque:

O setor calçadista gera aproximadamente 10 mil empregos diretos, indiretos e terceirizados.

A cidade conta com uma grande variedade de marcas, com mais de 180 lojas.

São João Batista

Conhecido como o 4º maior polo calçadista do Brasil, São João Batista se destaca pela qualidade no design e na matéria-prima dos calçados. Especializado em sapatos femininos (99% da produção), o polo também é conhecido por poder criar um sapato de ponta a ponta.

Produção de calçados de ponta a ponta em São João Batista

Tradição

Foi após o fechamento da USATI, empresa que empregava a maior parte das pessoas da região, que a história de São João Batista com o setor de calçados começou. Na época, ela deixou de ser conhecida como a cidade do açúcar para se tornar a Capital Catarinense do Calçado.

Se nos anos 60 já havia aproximadamente 20 empresas instaladas na cidade, em 1986 esse número saltou para 300 negócios. No início, as fábricas eram familiares, tinham poucos funcionários e eram “de fundo de quintal.” Depois, com a economia aquecida, a produção caseira abriu espaço para empresas maiores.

Empresas

Hoje, a cidade possui 395 empresas voltadas à fabricação de calçados. Destas, 220 são produtoras de insumos. Em média, são fabricados 2,4 milhões de pares mensalmente.

Esse polo é a casa de grandes marcas, como Raphaella Booz. A grife de sapatos, bolsas e acessórios conta com mais de 1,5 mil pontos de venda espalhados pelo Brasil. Além disso, já tem negócios com o mercado externo e gera 1,5 mil empregos diretos e indiretos.

São João Batista também é onde a sede da Quimicolla está instalada! 

Quimicolla no maior polo calçadista do Brasil

Além dos negócios firmados com empresas da região, a empresa também marca presença nos demais polos calçadistas brasileiros. Fornecemos relações de confiança devido à qualidade de nossos produtos, agilidade na entrega e facilidade na aquisição de amostras para testagem.

Quer conhecer os produtos da Quimicolla? Clique aqui e solicite uma amostra.

Cadastre-se para iniciar um atendimento!

Publicações relacionadas

+55 (48) 3265-4477
+55 (48) 99185-5293
quimicolla@quimicolla.com.br
Rod. SC 410 - KM 17
São João Batista - SC
PRODUTOS POR SEGMENTO